Para deputado federal Sidnei Leandro 4093

AMIGOS DE FOGO
Loading...

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Carta ao Eleitor

Aos meus grandes amigos!
Peço seu voto de confiança para
uma pessoa que eu admiro muito. Uma pessoa que conheci nas caravanas que
fui à Brasília em prol da PEC 300, e que vi lutar com muito afinco para
que a PEC 300 fosse aprovada no 1° turno.
Não é segredo pra ninguém da
minha luta pela classe. Mas também é
preciso mostrar a luta desse homem. Vote em quem tem mostrado
serviços por nossa causa. Vote em quem já estão no dever
cívico de nos representar!
Vote no próximo domingo em Sidnei Leandro 4093 para Deputado Federal.
Vocês me conhecem, sabem que eu
não pediria o apoio de vocês por benefícios isolados. Sabem, que eu não
pediria esses votos de vocês para alguém que eu não conhecesse o
carácter.
Me dêem esses votos seguros. Nós precisamos aprovar a nossa PEC 300.
Um abraço,
Abigail Freitas beijinhus


Meu Eleitor!

A partir do nascimento com vida
todos nós chegamos ao Planeta numa determinada hora, lugar, numa
determinada Família. Às vezes culta ou inculta, rica, pobre ou
remediada, esperançosa ou condenada. Alguns de nós ao longo da
existência superamos dificuldades e furamos bloqueios. Outros não, vão
se perdendo, perdendo e chegam à idade adulta sem passar pela infância,
em razão da desigual luta de sobreviver.
Hoje não, você é igual a
todo mundo, seu voto é igual ao de todos. Mas há uma distinção: a
grande distinção é a sua consciência ao escolher a quem doá-lo. Escolha,
de sua convicção aquele que pode pelo menos acalentar sua esperança.
Nós que queremos o representante perfeito, às vezes somos imperfeitos na
hora de escolher.
Lembre-se; com seu voto você torna-se protagonista de sua história.
Lembre-se
mais, na maioria das situações da vida você pode acertar ou se abster,
fazer ou não fazer, como por exemplo; casar ou não casar, etc...
Mas você jamais deixará de ter alguém lhe representando nas Casas Legislativas e Executivas.
Pode
ser que aquele que vai lhe representar de forma vil seja eleito por que
você não refletiu em seu pedaço de responsabilidade.
Peço o seu voto consciente, vibrante, alastrador. Todos os sinais colocam a nossa campanha vitoriosa. Mas
é preciso maior expressão de voto para lhe representar melhor. Eu
preciso ser mais que um deputado. Eu quero ser seu líder na Assembléia e
poder gritar bem alto com você “VAMOS MUDAR O RIO”.
Multiplique o seu voto!
Amplifique a sua voz!
Dissemine a sua convicção!

Sidnei Leandro
Deputado Federal
4093

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

BOLSA OLÍMPICA VALE MENOS E BENEFICIA MAIS


Para atender a todos os policiais civis e militares e bombeiros do Rio, o Ministério da Justiça fez alterações no programa Bolsa Olímpica, que agora é chamado de Bolsa Formação - Módulo Olimpíada. Uma das mudanças foi a redução do valor da gratificação. Inicialmente, ela seria de R$ 1.200,00, mas foi alterada para R$ 443,00 agora, passando para R$ 800,00 e para R$ 900,00 em junho de 2011. A última quantia deve permanecer até 2016, quando acontecerão os Jogos Olímpicos.

Com essa alteração será possível contemplar todos os servidores da Segurança que fizerem os cursos oferecidos pelo governo federal, e não apenas os agentes que participarem diretamente do policiamento do evento esportivo, como estava previsto na época do anúncio do programa.

Essa possibilidade havia causado polêmica entre policiais, especialmente os militares, onde a gratificação apenas para alguns poderia fazer com que subordinados ganhassem mais do que superiores. Também foi derrubado o teto salarial de R$ 3.200,00 para o pagamento das gratificações.


INSCRIÇÕES

Essa deve ser a última leva de cursos deste ano. Durante as negociações, ficou acordado que o governo do estado manterá o valor pago a título de gratificação depois dos Jogos Olímpicos de 2016.
Essa é massa.!!!

Um advogado dirigia distraído quando, num sinal de PARE, passa sem parar, em
frente a uma viatura do BOPE.

Policial: - Boa tarde. Documento do carro e habilitação.

Advogado: - Mas por que, policial?

Policial: - Não parou no sinal de PARE, ali atrás.

Advogado: - Eu diminui e como não vinha ninguém...

Policial: - Exato... Documento do carro e habilitação.

Advogado: - Você sabe qual é a diferença jurídica entre diminuir e parar?

Policial: - A diferença é que a lei diz que num sinal de PARE, deve-se
parar completamente. Documento e habilitação.

Advogado: - Ou não, policial. Eu sou advogado e sei de suas limitações na
interpretação de texto de lei. Proponho-lhe o seguinte: Se você conseguir
me explicar a diferença legal entre diminuir e parar, eu lhe dou os
documentos e você pode me multar. Senão, vou embora sem multa.

Policial: - Positivo, aceito. Pode fazer o favor de sair do veículo, Sr.
Advogado?

O advogado desce e então os integrantes do BOPE baixam o cacete, soco pra
tudo quanto é lado, tapa, botinada...
O advogado grita por socorro, e implora para pararem.
E o policial pergunta:

- Quer que a gente PARE ou DIMINUA?

Advogado: - PARE!...PARE!...PARE!...

Policial: - Positivo... Documento e habilitação

'Farc não é um problema do Brasil', diz Dilma Rousseff


'Farc não é um problema do Brasil', diz Dilma Rousseff
A candidata do PT, Dilma Rousseff, afirmou nesta quarta-feira (1) que as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) não são “problema do Brasil”. Ela foi recebida nesta manhã pelo presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos. Em sua primeira visita ao Brasil, Santos deve se reunir também com os candidatos José Serra (PSDB) e Marina Silva (PV) nesta quinta-feira (2).

Dilma afirmou que o Brasil só deve participar de algum diálogo com as Farc se isso for pedido pelo governo da Colômbia. “Não temos porque participar, a não ser a pedido da Colômbia, de qualquer atividade de pacificação ou diálogo com as Farc. Se a Colômbia alguma vez solicitar a presença do Brasil, nós vamos participar, caso não solicite não temos porque participar porque as Farc não é um problema do Brasil”.

Questionada sobre as acusações feitas durante a campanha eleitoral de envolvimento do PT com as Farc, Dilma afirmou que isso não foi tratado na reunião com o presidente da Colômbia. “Essa questão das Farc é muito mais uma questão do meu adversário do que da Colômbia”.

Segundo a candidata, o único tema relativo ao assunto discutido com Santos foi a estratégia para policiamento da fronteira. A petista reafirmou sua proposta de comprar 10 Veículos Aéres Não Tripulados (VANTs) para ajudar no policiamento da fronteira brasileira. Ela destacou ainda ter ouvido de Santos que já há um acordo com o Brasil que prevê uma ação conjunta dos dois países no combate ao crime na fronteira entre eles.

A candidata afirmou que a maior parte da conversa com o presidente da Colômbia se deu em torno de temas como a inclusão social, agricultura familiar e biotecnologia. Segundo Dilma, Santos teria aberto a conversa afirmando que a próxima década, que se inicia no próximo ano, será “a década da América Latina” e que os países da região precisam aproveitar as oportunidades de crescimento e desenvolvimento.

A entrevista foi encerrada pela assessoria de Dilma antes que a candidata respondesse a questões sobre a violação de dados sigilosos da Receita Federal. Nessa terça-feira (31/08), foi divulgado um acesso a uma declaração de renda de Verônica Serra, filha do candidato do PSDB. A Receita diz que o acesso foi feito a pedido de Verônica, mas Serra nega que sua filha tenha pedido para acessar os dados.

Segundo a assessoria de Dilma, os jornalistas colombianos pediram para encerrar a entrevista porque têm de acompanhar a agenda de Santos em Brasília. O presidente colombiano deixou a Embaixada do país para se encontrar com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Fonte: G1

RN- Associação de policiais envia ofício ao governo e pede R$ 3.200,00 para soldado

A entidade afirma que ainda no mês de setembro realizará assembléia com a categoria e espera respostas das reivindicações.


Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar do Rio Grande do Norte protocolou na Governadoria, na tarde desta quarta-feira (01), ofício nº 364/2010 apresentando ao Governador do Estado pauta de reivindicação da Entidade.
Na pauta estavam o cumprimento da Lei de anistia; realização do curso de Cabo e Sargento; realização de concurso para especialista em saúde; convocação dos suplentes; carga horária; programa habitacional e o Plano de Cargos, Carreira e Subsídio (R$ 3.200 - soldado). Na semana passada a Entidade já tinha apresentado essas reivindicações ao Secretário de Segurança e ao Comando da PM.

A entidade afirma que ainda no mês de setembro realizará assembléia com a categoria e espera respostas das reivindicações.

"Surgiram boatos que o governo daria um reajuste salarial agora em agosto, não sabemos com qual intenção. Nessas conversas com o Secretário de Segurança e com assessoria do Governador, foi desmistificado esse boato e descobrimos que não tinha nada. Agora tem, mandamos uma proposta de R$ 3.200,00 para o soldado, escalonado até coronel e marcaremos uma assembléia com a categoria para defesa dessa proposta" afirma Cabo Jeoás Santos - Presidente da ACS-PM/RN.

ParaibaemQA

O jornal O Globo nos ouviu e reconheceu na edição desta quarta-feira (dia 25 de agosto) o que temos alertado diuturnamente neste blog aos trabalhadores da Segurança Pública do Brasil: a PEC 300 não teve sua votação concluída na Câmara dos Deputados porque o governo não se interessou em ver a proposta aprovada.
Por meio de uma nota intitulada “Dilma implodiu a PEC 300”, o periódico declara que a candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, atuou de forma decisiva para impedir que o segundo turno da PEC 300 fosse votada no esforço concentrado da semana passada. Essa informação só reforça o que vem sendo dito neste espaço há semanas. O governo insiste através de Temer e Vaccarezza em não quer votar a PEC 300.
O resto é conversa...O presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), chegou a divulgar nota na semana passada responsabilizando a invasão legítima e democrática de bombeiros, policiais e agentes penitenciários pela não votação da PEC 300.E agora? Será que Temer, candidato a vice na chapa encabeçada por Dilma, terá coragem de admitir que não colocou a PEC 300 porque o governo não quer ver essa matéria aprovada?
Como ele consegue conciliar o cargo de presidente da Câmara dos Deputados e candidato à vice-presidente da República? Resposta: não consegue. Porque se atuasse de forma a defender os interesses da instituição Câmara dos Deputados, a PEC 300 já teria sido votada há muito tempo.Contudo, não podemos desanimar.
A imensa maioria dos deputados quer votar a PEC 300. Tenho certeza de que, apesar das resistências, a PEC 300 será uma realidade em pouco tempo. Não há mais como retroceder em nossas conquistas. Eles podem adiar, mas não conseguirão impedir essa vitória dos trabalhadores da Segurança Pública.PEC 300 já!
A união é a nossa força.
Capitão Assumção


A quem querem enganar?
Simples, a população do Rio de Janeiro.
Por que ocuparam pequenas comunidades da Zona Sul e não ocuparam a Rocinha?
Por que anunciaram a ocupação do Alemão só para 2014, final do próximo governo?
Por que escolheram a Tijuca para ser ocupada antes das eleições? Existe relação com o resultado da votação para prefeito na região em 2008?
Por que não divulgam o número de óbitos das UPAs?
Por que Cabral proibiu imagens dos corredores hospitalares amontoados de pessoas sofrendo?
Por que não encontraram justificativa para o fato do Rio ser o penúltimo estado na avaliação do ensino médio, ficando na frente apenas do Piauí?
Por que no Rio nem 5% dos homicídios são esclarecidos?
Por que Policiais Militares que trabalham nas UPPs ficam 12 horas em pé, sem alimentação e sem água?
Por que três secretarias estaduais do governo Sérgio Cabral estão sob investigação?
Certamente, Sérgio Cabral sabe todas essas respostas, basta perguntarem a ele.

sábado, 7 de agosto de 2010

Cel Rabelo e os demais integrantes da Comissão da Pec 300 Rio de Janeiro, entre eles o SGT BM Sidnei Leandro. Saem na frente e já garantem à aprovação


Cel Rabelo e os demais integrantes da Comissão da Pec 300 Rio de Janeiro, entre eles o SGT BM Sidnei Leandro. Saem na frente e já garantem à aprovação da PEC 300 no Senado

Coronel Rabelo(coronel da Polícia Militar do Rio de Janeiro) e os demais membros do Movimento PEC 300 / Rio, saem na frente e já acordam à aprovação da Proposta de Emenda Constitucional de número 300/2008 no Senado.

A pedido do Cel Rabelo, os integrantes do movimento colheu cerca de 2000 mil assinaturas dos profissionais da área de Segurança Pública em menos de 2 dias, que conclamam ao Senado Federal à aprovação da emenda. O líder do PMDB no Senado, o senador Renan Calheiros, já havia prometido ao coronel do Rio no dia 06/07/10, a possibilidade de votar os dois turnos no mesmo dia, como já havia feito antes com a PEC 41 (atual 446), e na noite de ontem se comprometeu com o Cel. Rabelo em repetir a mesma proeza. Só que dessa vez a promessa é que ocorrerá no mesmo dia que passar pela aprovação do 2° turno na Câmara dos Deputados.

O documento contendo 41 folhas com as assinaturas foi protocolado ontem pelo Cel Rabelo na 1ª secretaria do Congresso Nacional.

Abigail Freitas

sexta-feira, 30 de julho de 2010

2010Presidente Lula Doa R$ 25 milhões de reais para a reconstrução de Gaza

Lei Nº 12.292, DE 20 DE JULHO DE 2010. O Presidente da República. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1o Fica o Poder Executivo autorizado a doar recursos à Autoridade Nacional Palestina, em apoio à economia palestina para a reconstrução de Gaza, no valor de até R$ 25.000.000,00 (vinte e cinco milhões de reais). \ Parágrafo único. A doação será efetivada mediante termo firmado pelo Poder Executivo, por intermédio do Ministério das Relações Exteriores, e correrá à conta de dotações orçamentárias daquela Pasta. \ Art. 2o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. \ Brasília, 20 de julho de 2010; 189o da Independência e 122o da República. Luiz Inácio Lula da Silva.

Polícias Militar e Civil e Bombeiros: Gratificação sai em 3 de agosto

"Polícias Militar e Civil e Bombeiros: Gratificação sai em 3 de agosto
POR ALESSANDRA HORTO

Rio - Os 3.581 policiais civis que têm direito à gratificação de R$ 350 mensais vão receber o valor relativo a julho no dia 3 de agosto, por meio de folha suplementar. O bônus é pago para os profissionais que participam de programa de atualização profissional.

A informação é da Secretaria Estadual de Planejamento e Gestão, em resposta às demanda de policiais que informaram não ter visto o valor nos contracheques deste mês.

A pasta divulgou que o pagamento será feito em folha suplementar porque os nomes dos servidores não foram enviados pela Polícia Civil, antes da data de fechamento da folha de pagamento.

Os 26.729 policiais militares e 1.600 bombeiros receberão a gratificação no contracheque normalmente e no mesmo dia que os demais policiais civis.

O valor total gasto no pagamento da gratificação para a Polícia Militar será de R$ 9,3 milhões. No Corpo de Bombeiros, R$ 560 mil e na Polícia Civil, R$ 1,1 milhão.

Têm direito à gratificação os policiais que não estiverem recebendo outros adicionais, por exemplo, os participantes das Unidades de Polícia Pacificadora. A avaliação é semestral. Na Polícia Militar, os cursos de qualificação têm carga horária de 16 horas. Na Civil, serão 40 horas. No Corpo de Bombeiros, a avaliação é anual. Delegados adjuntos em escala de plantão e os delegados assistentes ou substitutos, submetidos à escala de plantão recebem, desde dezembro de 2009, R$ 850 de gratificação."

Têm direito à essa gratificação apenas ALGUNS Guardas-vidas, Recolhedores de Cadáveres e Operadores e Condutores de Viaturas do CBMERJ
PEC dos policiais deve ser votada no início de agosto, atesta deputado

Após a aprovação em primeiro turno da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) n° 300/2008 pela Câmara dos Deputados, os parlamentares favoráveis à matéria começam a se movimentar para colocá-la em votação ainda no início de agosto. De acordo com o deputado federal Capitão Assumção, as articulações em torno do retorno da PEC à votação já começaram, em esforço concentrado.

Para ele, assim como aconteceu no primeiro turno da votação, a base governista vai usar a notoriedade da proposta para medidas provisórias junto à PEC, por isso os parlamentares devem tentar votar a PEC antes de qualquer medida provisória.

Em caso de aprovação, a matéria passa para o Senado e pode ter as duas votações feitas no mesmo dia. Se também for aprovada, será promulgada por ato simbólico, após o que o governo terá prazo de até 180 dias para remeter a lei à Câmara dos Deputados.

O parlamentar salienta que, se o piso estabelecido não for do agrado da categoria, a tabela ideal pode ser delineada através de emendas [...].

O processo que culminou com a conclusão da votação do primeiro turno da matéria teve um extenso histórico de lutas da categoria e dos parlamentares que compõem a Frente Parlamentar em Defesa dos Militares (Fremil). Por diversas vezes a votação foi adiada, o que levou à apresentação de mandado de segurança pelo deputado Capitão Assumção ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Assumção decidiu entrar com recurso ao perceber que se buscava protelar indefinidamente a votação da matéria. O que seria um grave erro, pois não se pode interromper votação de PEC em primeiro turno. Segundo ele, não há notícia de outras votações que foram interrompidas da mesma maneira.

Debate - Vamos colocar a SEGURANÇA na pauta.

Os portais iG, MSN, Terra e Yahoo! abrem as rodadas de debates das Eleições 2010 com os candidatos à Presidência da República, na internet, em uma iniciativa inédita, no dia 26 de julho.

Ao vivo e 100% digital, o Debate On-Line 2010 será transmitido simultaneamente nos quatro portais, que representam 23 milhões de usuários únicos, atingindo 95% dos internautas de todo o país, segundo relatório do Ibope NetRatings, de junho de 2010.

Diferentemente dos debates tradicionais, o Debate On-Line 2010 promovido pelos portais iG, MSN, Terra e Yahoo! terá o usuário da internet como foco central na interação com os candidatos, com canal aberto no Twitter nodebateonlinebr para envio de perguntas no dia do evento.


ATENÇÃO:

No site do portal MSN tem uma enquete:


"Qual o tema de mais importância para você nas eleições 2010 para presidente?"

Entre no link abaixo e clique na opção SEGURANÇA.


Obrigando os participantes a debaterem o caos da Segurança

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Irritado Michel temer encerra a reunião.

25/05/2010 18h03 - Atualizado em 25/05/2010 18h08
Temer encerra reunião ‘secreta’ após vazamento pelo Twitter
Deputado publicou posts sobre discussões e desagradou a colegas.
‘Isso é coisa de araponga’, reclamou presidente da Câmara.

"O uso do Twitter por um deputado causou polêmica em uma reunião de líderes da Câmara dos deputados nesta terça-feira (25). Nessas reuniões, até assessores de parlamentares são proibidos de entrar. O vazamento da reunião na internet provocou bate-boca dentro da sala e a reunião foi encerrada subitamente pelo presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP).
O tema em debate na reunião era a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que propõe a criação de um piso nacional para os policiais de todo o país. O impasse ocorre porque um grupo ligado à categoria deseja escrever na Constituição em valores o rendimento mínimo da categoria. A proposta foi aprovada em primeiro turno, mas resta ainda a votação de destaques, como o que retira o valor do texto constitucional. Estava em discussão na reunião a proposta de criação de uma comissão para se tentar um acordo.

Enquanto o debate corria solto entre as lideranças no Congresso, o deputado Capitão Assumção (PSB-ES) resolveu “twittar” as discussões. Ele escreveu coisas como “temer, sepultando a PEC, quer criar 1 comissão” e “vaccarezza diz que lula já dá a bolsa formação. é de rir”.
Quando os parlamentares descobriram a “transmissão” que o colega estava fazendo da reunião, a situação ficou tensa. A reunião foi encerrada e não foi fechado um acordo para a votação do tema desejado por Assumção.

O primeiro a sair da sala foi o líder do PSDB, João Almeida (BA), que atribuiu a Assumção o encerramento da decisão sem acordo. “Nós tínhamos em discussão a proposta de criar uma comissão, mas o mau comportamento de alguns acabou encerrando a reunião.” O líder do PT, Fernando Ferro (PE), também se irritou com o colega. “A reunião terminou por causa do comportamento deplorável de um deputado.”

O presidente da Câmara também saiu da reunião criticando a ação do parlamentar. Ele afirmou que divulgar reuniões como essa “não é útil para a Casa”. Questionado se em uma próxima reunião seria possível reter os celulares dos deputados já na entrada, Temer respondeu que o uso do celular é permitido, mas transmitir a reunião, não. “Isso é coisa de araponga”, disse o peemedebista.

Capitão Assumção disse que começou a twittar durante a reunião ao perceber que se estava "procrastinando" [adiando] a votação da PEC. Ele declarou não acreditar em qualquer possibilidade de punição pelo ato. "Passei 25 anos nas ruas. Vou me preocupar com isso? O que eu fiz é uma forma democrática de expor o meu pensamento", afirmou.

No fim, o impasse sobre o tema continua. Temer afirmou que vai mesmo criar a comissão com três membros indicados pelo governo e outros três pela oposição para tentar construir um acordo sobre este tema. Não há data ainda para a volta do tema ao plenário. "

Capitão Assumção tirou do sério o candidato à vice-presidência de Dilma Rousseff com suas eficientes "Twittadas"!
Semana passada ele fugiu e nessa semana tentou nos enrolar, mais uma vez!
Mas continuamos FIRMES, FORTES E UNIDOS NA BUSCA DE NOSSA DIGNIDADE!

terça-feira, 25 de maio de 2010

Marina Silva é a única candidata a presidência que apóia a PEC 300

Veja o que a mesma escreveu em seu blog:
Salários à altura da responsabilidade

Tenho sido procurada nos comentários deste blog para dizer a minha posição sobre a Proposta de Emenda Constitucional 300.
Para quem não sabe, a PEC 300 propõe que o salário dos policiais militares do país seja equiparado ao valor que ganha o PM do Distrito Federal e cria um fundo no qual a União terá que contribuir para pagar esse salário.
Com a PEC 300, o salário do PM passará a vir dos Estados e também da União.
Para se ter uma idéia do problema, vale a pena falar em números. No DF, o salário inicial de um PM é de aproximadamente R$ 3.100,00. No Rio Grande do Sul, o mesmo cargo paga R$ 800,00.
Por isso, estou ativamente envolvida na defesa da PEC 300. O polícial militar precisa ter um salário digno e à altura das responsabilidades e dos riscos a que ele se expõe.
Postado em 23/03/2010 por Marina
Blog Maina Silva

PEC 300 entra em pauta com apoio de 321 deputados

Tá na Pauta!
PEC 300 entra em pauta com apoio de 321 deputados

Congresso em Foco teve acesso exclusivo à lista dos deputados que assinaram requerimento para votar o piso dos policiais e bombeiros, uma emenda temida pelo governo pelo impacto orçamentário que pode causar



Prometida como primeiro item da pauta da reunião de líderes desta terça-feira (25) a centenas de policiais e bombeiros que lotaram as galerias da Câmara na semana passada, a PEC 300 conta com o apoio formal de 321 deputados. O Congresso em Foco teve acesso com exclusividade ao requerimento apresentado pelo deputado Miro Teixeira (PDT-RJ) e outros no dia 27 de abril deste ano. O grande apoio ao requerimento sinaliza que são grandes as possibilidades de aprovação da proposta de emenda constitucional. Uma situação que provoca arrepios no governo. Há uma estimativa da equipe econômica de que a concessão do aumento, nos termos propostos pela PEC, implicaria um rombo orçamentário da ordem de R$ 3 bilhões.

Vários governadores também preocupam-se com o impacto nas suas contas do aumento provocado pela PEC. Mas uma das conclusões que se pode tirar da leitura da lista é que tais preocupações não necessariamente sensibilizaram a base governista ou eventuais bancadas estaduais. A adesão à PEC 300 (que cria o piso salarial provisório a policiais e bombeiros militares de R$ 3,5 mil e R$ 7 mil - para praças e oficiais, respectivamente) não respeita orientação partidária, localização geográfica e corrente ideológica. Um exemplo é que os deputados Flávio Dino (PCdoB-MA) e Paulo Maluf (PP-SP) subscrevem o requerimento.

A maioria da Mesa Diretora da Câmara também assinou o documento. À exceção do presidente, Michel Temer (PMDB-SP), e do primeiro vice, Marco Maia (PT-RS); todos os titulares assinaram. São eles: Antonio Carlos Magalhães Neto (DEM-BA), segundo vice-presidente; Rafael Guerra (PSDB-MG), primeiro secretário; Inocêncio Oliveira (PR-PE), segundo secretário; Odair Cunha (PT-MG), terceiro secretário; e Nelson Marquezelli (PTB-SP), quarto secretário.

Fiéis às orientações do governo e dos governadores, apenas os líderes e os parlamentares de maior expressão na base e na oposição. Casos, por exemplo, de Arlindo Chinaglia (PT-SP), ex-presidente da Câmara; Cândido Vaccarezza (PT-SP), líder do governo na Câmara; Fernando Ferro (PE), líder do PT na Câmara; João Almeida (BA), líder do PSDB na Câmara; Paulo Bornhausen (SC), líder do DEM na Câmara; Ronaldo Caiado (GO), ex-líder do DEM na Câmara.

O texto-base da PEC 300 já foi aprovada em primeiro turno na Câmara. Agora, para que o primeiro turno seja concluído, os deputados terão que votar quatros destaques que, na prática, desfiguram a proposta. Após essa fase, a matéria terá de passar por outro turno de votação para seguir, então, ao Senado.

Pressão

A adesão à PEC é claramente um resultado da forte pressão que os policiais e os bombeiros, organizados, exercem há várias semanas sobre os deputados. Os parlamentares que defendem a proposta afirmam que as caravanas de todo o país não vão parar de chegar ao Congresso. Apenas na semana passada, cerca de 3 mil policiais e bombeiros vieram acompanhar a votação.

Para o deputado Capitão Assunção (PSB-ES), um dos parlamentares que mais se destaca na defesa da PEC, dentre as estratégias do governo para adiar a análise está o “rodízio de líderes” que ocupam a tribuna contrariamente à matéria.

“A estratégia de revezamento dos parlamentares serve para evitar que eles se queimem”, avalia o deputado capixaba. Como exemplo, ele cita dois momentos distintos: os destaques apresentados pelo líder petista em março, e a atuação de Chinaglia na semana passada, que visivelmente se irritou com a manifestação das galerias pela PEC 300.

“No tripé segurança, saúde e educação; a segurança é a única que não chega às extremidades da sociedade”, explica Assunção, que aproveita para provocar o governo. “A cada tentativa de procrastinação, a resistência dos trabalhadores do setor de segurança aumenta.”

O deputado Major Fábio (DEM-PB) rebate insinuações de que policiais estavam armados nas galerias da Câmara, durante a sessão da quarta-feira da semana passada. “Não tem como entrar armado. Além disso, os policiais que estavam nas galerias são lideranças conhecidas pelos deputados em seus estados.”

De acordo com o deputado paraibano, alguns deputados contrários à PEC ficaram “apavorados” pela “manobra ridícula” feita para atrasar a votação. Para ganhar tempo e adiar a votação da PEC, a relatora da Medida Provisória 479/09, deputada Gorete Pereira (PR-CE), passou quase duas horas lendo seu relatório. A MP, que reestrutura as carreiras dos servidores federais, era o último item antes do reajuste dos policiais e bombeiros.


Veja a lista dos deputados que assinaram requerimento:

Acre:
FERNANDO MELO (PT)
GLADSON CAMELI (PP)
ILDERLEI CORDEIRO (PPS)
PERPÉTUA ALMEIDA (PCdoB)
SERGIO PETECÃO (PMN)

Alagoas
ANTONIO CARLOS CHAMARIZ (PTB)
CARLOS ALBERTO CANUTO (PSC)
FRANCISCO TENORIO (PMN)
GIVALDO CARIMBÃO (PSB)
MAURÍCIO QUINTELLA LESSA (PR)

Amazonas
ÁTILA LINS (PMDB)
FRANCISCO PRACIANO (PT)
LUPÉRCIO RAMOS (PMDB)
MARCELO SERAFIM (PSB)
REBECCA GARCIA (PPB)
SABINO CASTELO BRANCO (PTB)
SILAS CÂMARA(PSC)
VANESSA GRAZZIOTIN (PCdoB)

Amapá
EVANDRO MILHOMEN (PCdoB)
FÁTIMA PELAES (PMDB)
JANETE CAPIBERIBE (PSB)
SEBASTIÃO BALA ROCHA (PDT)

Bahia
ALICE PORTUGAL (PCdoB)
ANTONIO CARLOS MAGALHÃES NETO (DEM)
CLAUDIO CAJADO (DEM)
COLBERT MARTINS (PMDB)
FÉLIX MENDONÇA (DEM)
FERNANDO DE FABINHO (DEM)
GERALDO SIMÕES (PT)
JORGE KHOURY (DEM)
JOSÉ CARLOS ARAÚJO (PDT)
LÍDICE DA MATA (PSB)
LUIZ BASSUMA (PV)
LUIZ CARREIRA (DEM)
MÁRCIO MARINHO (PRB)
MARCOS MEDRADO (PDT)
MAURÍCIO TRINDADE (PR)
ROBERTO BRITTO (PP)
SÉRGIO BARRADAS CARNEIRO (PT)
SEVERIANO ALVES (PMDB)
TONHA MAGALHÃES (PR)
ULDURICO PINTO PHS)
VELOSO (PMDB)

Ceará
ARNON BEZERRA (PTB)
CHICO LOPES (PCdoB)
EUDES XAVIER (PT)
EUGÊNIO RABELO (PP)
EUNÍCIO OLIVEIRA (PMDB)
FLÁVIO BEZERRA (PRB)
PAULO HENRIQUE LUSTOSA (PMDB)
RAIMUNDO GOMES DE MATOS (PSDB)
VICENTE ARRUDA (PR)
ZÉ GERARDO (PMDB)

Distrito Federal
ALBERTO FRAGA (DEM)
AUGUSTO CARVALHO (PPS)
LAERTE BESSA (PMDB)
RODOVALHO (PP)
TADEU FILIPPELLI (PMDB)

Espírito Santo
CAMILO COLA (PMDB)
CAPITÃO ASSUMÇÃO (PSB)
IRINY LOPES (PT)
JURANDY LOUREIRO (PSC)
MANATO (PDT)
RITA CAMATA (PMDB)
SUELI VIDIGAL (PDT)

Goiás
CARLOS ALBERTO LERÉIA (PSDB)
ÍRIS DE ARAÚJO (PMDB)
JOÃO CAMPOS (PSDB)
LEANDRO VILELA (PMDB)
LUIZ BITTENCOURT (PMDB)
MARCELO MELO (PMDB)
PEDRO CHAVES (PMDB)
PEDRO WILSON (PT)
PROFESSORA RAQUEL TEIXEIRA (PSDB)
ROBERTO BALESTRA (PP)
TATICO (PTB)

Maranhão
CLEBER VERDE (PRB)
DAVI ALVES SILVA JÚNIOR (PR)
DOMINGOS DUTRA (PT)
FLÁVIO DINO (PCdoB)
PEDRO FERNANDES (PTB)
PEDRO NOVAIS (PMDB)
PINTO ITAMARATY (PSDB)
PROFESSOR SETIMO (PMDB)
RIBAMAR ALVES (PSB)
ROBERTO ROCHA (PSDB)
ZÉ VIEIRA (PR)

Mato Grosso do Sul
ANTÔNIO CARLOS BIFFI (PT)
ANTONIO CRUZ (PP)
DAGOBERTO (PDT)
GERALDO RESENDE (PMDB)
MARÇAL FILHO (PMDB)
NELSON TRAD (PMDB)

Mato Grosso
ELIENE LIMA (PP)
THELMA DE OLIVEIRA (PSDB)
VALTENIR PEREIRA (PSB)

Minas Gerais
ADEMIR CAMILO (PDT)
AELTON FREITAS (PR)
ANTÔNIO ANDRADE (PMDB)
ANTÔNIO ROBERTO (PV)
BILAC PINTO (PR)
BONIFÁCIO DE ANDRADA (PSDB)
CARLOS MELLES (DEM)
CARLOS WILLIAN (PTC)
CIRO PEDROSA (PV)
EDMAR MOREIRA (PR)
ELISMAR PRADO (PT)
FÁBIO RAMALHO (PV)
GEORGE HILTON (PRB)
GERALDO THADEU (PPS)
GILMAR MACHADO (PT)
JAIME MARTINS (PR)
JAIRO ATAIDE (DEM)
JOÃO MAGALHÃES (PMDB)
JOSÉ FERNANDO APARECIDO DE OLIVEIRA (PV)
LEONARDO MONTEIRO (PT)
LEONARDO QUINTÃO (PMDB)
LINCOLN PORTELA (PR)
LUIZ FERNANDO FARIA (PP)
MARCOS LIMA (PMDB)
MARCOS MONTES (DEM)
MARIA LÚCIA CARDOSO (PMDB)
MÁRIO DE OLIVEIRA (PSC)
MÁRIO HERINGER (PDT)
MAURO LOPES (PMDB)
MIGUEL CORRÊA (PT)
MIGUEL MARTINI (PHS)
ODAIR CUNHA (PT)
PAULO ABI-ACKEL (PSDB)
PAULO DELGADO (PT)
PAULO PIAU (PMDB)
RAFAEL GUERRA (PSDB)
REGINALDO LOPES (PT)
RODRIGO DE CASTRO (PSDB)
SARAIVA FELIPE (PMDB)
SILAS BRASILEIRO (PMDB)
VIRGÍLIO GUIMARÃES (PT)
VITOR PENIDO (DEM)

Pará
ASDRUBAL BENTES (PMDB)
GERSON PERES (PP)
GIOVANNI QUEIROZ (PDT)
LIRA MAIA (DEM)
LÚCIO VALE (PR)
NILSON PINTO (PSDB)
PAULO ROCHA (PT)
ZÉ GERALDO (PT)
ZENALDO COUTINHO (PSDB)
ZEQUINHA MARINHO (PSC)

Paraíba
ARMANDO ABÍLIO (PTB)
DAMIÃO FELICIANO (PDT)
EFRAIM FILHO (DEM)
LUIZ COUTO (PT)
MAJOR FÁBIO (DEM)
MARCONDES GADELHA (PSC)
RÔMULO GOUVEIA (PSDB)
VITAL DO RÊGO FILHO (PMDB)
WELLINGTON ROBERTO (PR)
WILSON BRAGA (PMDB)
WILSON SANTIAGO (PMDB)

Pernambuco
BRUNO ARAÚJO (PSDB)
BRUNO RODRIGUES (PSDB)
CHARLES LUCENA (PTB)
EDGAR MOURY (PMDB)
EDUARDO DA FONTE (PP)
FERNANDO COELHO FILHO (PSB)
FERNANDO NASCIMENTO (PT)
INOCÊNCIO OLIVEIRA (PR)
JOSÉ MENDONÇA BEZERRA (DEM)
MAURÍCIO RANDS (PT)
PAULO RUBEM SANTIAGO (PDT)
RAUL HENRY (PMDB)
RAUL JUNGMANN (PPS)
ROBERTO MAGALHÃES (DEM)
SILVIO COSTA (PTB)
WOLNEY QUEIROZ (PDT)

Piauí
ANTONIO JOSÉ MEDEIROS (PT)
ÁTILA LIRA (PSB)
CIRO NOGUEIRA (PP)
JÚLIO CESAR (DEM)
OSMAR JÚNIOR (PCdoB)
PAES LANDIM (PTB)
THEMÍSTOCLES SAMPAIO (PMDB)

Paraná
ABELARDO LUPION (DEM)
ALCENI GUERRA (DEM)
ALEX CANZIANI (PTB)
ALFREDO KAEFER (PSDB)
ANDRE VARGAS (PT)
ASSIS DO COUTO (PT)
CASSIO TANIGUCHI (DEM)
CHICO DA PRINCESA (PR)
DILCEU SPERAFICO (PP)
EDUARDO SCIARRA (DEM)
LUIZ CARLOS HAULY (PSDB)
MOACIR MICHELETTO (PMDB)
NELSON MEURER (PP)
ODÍLIO BALBINOTTI (PMDB)
RATINHO JUNIOR (PSC)
TAKAYAMA (PSC)
WILSON PICLER (PDT)

Rio de Janeiro
ALEXANDRE CARDOSO (PSB)
ALEXANDRE SANTOS (PMDB)
ANDREIA ZITO (PSDB)
ARNALDO VIANNA (PDT)
BERNARDO ARISTON (PMDB)
BRIZOLA NETO (PDT)
CARLOS SANTANA (PT)
CHICO ALENCAR (PSol)
DELEY (PSC)
DR. PAULO CÉSAR (PR)
EDMILSON VALENTIM (PCdoB)
EDUARDO CUNHA (PMDB)
FELIPE BORNIER (PHS)
FERNANDO GABEIRA (PV)
FERNANDO GONÇALVES (PTB)
FERNANDO LOPES (PMDB)
FILIPE PEREIRA (PSC)
GERALDO PUDIM (PR)
HUGO LEAL (PSC)
INDIO DA COSTA (DEM)
JAIR BOLSONARO (PP)
LÉO VIVAS (PRB)
LEONARDO PICCIANI (PMDB)
MARCELO ITAGIBA (PSDB)
MARINA MAGGESSI (PPS)
MIRO TEIXEIRA (PDT)
NEILTON MULIM (PR)
NELSON BORNIER (PMDB)
OTAVIO LEITE (PSDB)
ROGERIO LISBOA (DEM)
SILVIO LOPES (PSDB)
SIMÃO SESSIM (PP)
SOLANGE ALMEIDA (PMDB)

Rio Grande do Norte
FÁBIO FARIA (PMN)
FÁTIMA BEZERRA (PT)
FELIPE MAIA (DEM)
ROGÉRIO MARINHO (PSDB)

Rondônia
ANSELMO DE JESUS (PT)
EDUARDO VALVERDE (PT)
ERNANDES AMORIM (PT)
LINDOMAR GARÇON (PV)
MAURO NAZIF (PSB)
NATAN DONADON (PMDB)

Roraima
EDIO LOPES (PMDB)
FRANCISCO RODRIGUES (DEM)
LUCIANO CASTRO (PR)
MARCIO JUNQUEIRA (DEM)
MARIA HELENA (PSB)
NEUDO CAMPOS (PP)

Rio Grande do Sul
AFONSO HAMM (PP)
BETO ALBUQUERQUE (PSB)
CLÁUDIO DIAZ (PSDB)
ENIO BACCI (PDT)
FERNANDO MARRONI (PT)
GERMANO BONOW (DEM)
LUIS CARLOS HEINZE (PP)
MARIA DO ROSÁRIO (PT)
MENDES RIBEIRO FILHO (PMDB)
PAULO PIMENTA (PT)
PAULO ROBERTO PEREIRA (PTB)
POMPEO DE MATTOS (PDT)
PROFESSOR RUY PAULETTI (PSDB)
RENATO MOLLING (PP)
SÉRGIO MORAES (PTB)
VIEIRA DA CUNHA (PDT)
VILSON COVATTI (PP)

Santa Catarina
ANGELA AMIN (PP)
CELSO MALDANER (PMDB)
EDINHO BEZ (PMDB)
FERNANDO CORUJA (PPS)
NELSON GOETTEN (PR)
PAULO BAUER (PSDB)
VALDIR COLATTO (PMDB)
VIGNATTI (PT)
ZONTA (PP)

Sergipe
ALBANO FRANCO (PSDB)
EDUARDO AMORIM (PSC)
IRAN BARBOSA (PT)
JACKSON BARRETO (PMDB)
JERÔNIMO REIS (DEM)
MENDONÇA PRADO (DEM)
VALADARES FILHO (PSB)

São Paulo
ABELARDO CAMARINHA (PSB)
ALDO REBELO (PcdoB)
ALINE CORRÊA (PP)
ARNALDO FARIA DE SÁ (PTB)
ARNALDO JARDIM (PPS)
BETO MANSUR (PP)
CARLOS SAMPAIO (PSDB)
CELSO RUSSOMANNO (PP)
DEVANIR RIBEIRO (PT)
DR. NECHAR (PP)
DR. TALMIR (PV)
DR. UBIALI (PSB)
FERNANDO CHIARELLI (PDT)
FERNANDO CHUCRE (PSDB)
FRANCISCO ROSSI (PMDB)
GUILHERME CAMPOS (DEM)
IVAN VALENTE (PSol)
JOÃO DADO (PDT)
JORGE TADEU MUDALEN (DEM)
JOSÉ PAULO TÓFFANO (PV)
LUCIANA COSTA (PR)
MILTON MONTI (PR)
NELSON MARQUEZELLI (PTB)
PAES DE LIRA (PTC)
PAULO MALUF (PP)
PAULO PEREIRA DA SILVA (PDT)
PAULO TEIXEIRA (PT)
EGIS DE OLIVEIRA (PSC)
RENATO AMARY (PSDB)
ROBERTO ALVES (PTB)
VICENTINHO (PTB)
WALTER IHOSHI (DEM)
WILLIAM WOO (PPS)

Tocantins
JOÃO OLIVEIRA (DEM)
MOISES AVELINO (PMDB)
OSVALDO REIS (PMDB)
VICENTINHO ALVES (PR

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Presidente da Câmara Federal viaja e votação da PEC 300 está ameaçada




COVARDE !!!

O presidente da Câmara Federal, deputado Michel Temer (PMDB/SP), viajou para o exterior e a votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 300 está ameaçada de não acontecer nesta semana. Esta informação foi repassada pelo presidente da Associação dos Cabos e Soldados (ACS) de Alagoas, Wagner Simas, que está em Brasília, desde a tarde desta segunda-feira (17), para acompanhar a possível votação. O clima entre os militares de todo o Brasil é de frustração.
De acordo com Simas, a presença de Michel Temer na sessão desta terça-feira (18) era considerada de extrema importância, haja vista que ele mesmo havia garantido adotar todas as estratégias possíveis para que a PEC 300 fosse apreciada esta semana. O presidente da Câmara Federal enfrenta grande resistência, sobretudo da base governista, que não aceita a instituição do piso nacional salarial da categoria, sugerida pela proposta.
Nesta tarde, os deputados que integram a Comissão Especial para avaliar a PEC 300 têm uma reunião decisiva. Eles tentarão, mesmo com a ausência do presidente da Casa, convencer os colegas de parlamento a colocar a Proposta na pauta de votação desta terça-feira.
A caravana formada por 40 militares de Alagoas vai acompanhar esta reunião, marcada para o Congresso Nacional, em Brasília. Com os demais policiais e bombeiros de outros Estados, eles pretendem fazer pressão para que a PEC 300 seja apreciada.

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Caravana Rumo à Brasília

ATENÇÃO:
AMIGOS, POLICIAIS, BOMBEIROS, REFORMADOS E PENSIONISTAS, A NOSSA CARAVANA MARCADA PARA SAIR RUMO A BRASILIA DIA 17/05/2010. SAINDO AS 10 HORAS DA MANHÃ DA AV. PRESIDENTE VARGAS, 1.733 - ASSINAP, EM FRENTE A CENTRAL DO BRASIL, QUEM JA FEZ INSCRIÇAO ESTA VALENDO E QUEM AINDA NAO FEZ, POR FAVOR SE FOR DE SEU INTERESSE VIAJAR CONSOCO, LIGUE PARA O TEL. (21)9993- 5851, FALAR COM MARI TORRES DE 8 AS 18 HORAS.

Michel Temer diz votar a PEC Aglutinativa no próximo dia 18/05/2010


O presidente da câmara dos deputados Michel Temer se comprometeu votar os 3 destaques restantes da PEC Aglutinativa(300/446). E pasmem, disse que vai derrubar os destaques, e mais inacreditável ainda... disse que vai votar em sessão extraordinária no mesmo dia, o segundo turno da tão esperada PEC. Será que se pode confiar num homem que até o presente momento só fez obstruir nossa PEC?
Após lançar sua pré-candidatura como vice de Dilma Rousset, Michel Temer vai ceder as reivindicações pra não perder os votos da segurança pública?
Bom... só nos resta esperar e acreditar Naquele que nos criou.
Que venha o dia 18/05/2010


Não deixem de ir a Brasília. Caravana dia 17/05/2010. Saída do centro do Rio, em frente a central do Brasil. Contatos: (21) 3888-9179 / 9993-5851 / 7865-2448

sábado, 1 de maio de 2010

PEC 300 atinge o Maracanã


Esta é a faixa confeccionada pela Raça Rubro-Negra, maior torcida do Flamengo, que foi COVARDEMENTE apreendida no último domingo, no Maracanã.
Curiosa foi a alegação da Srª. Márcia Lins, Secretária de Estado de Esportes, de que havia cunho político na mensagem da faixa, enquanto lá fora eram distribuídos panfletos do governo do estado contra a "COVARDIA"
da perda dos royaltes do petróleo.
Mais engraçado ainda é saber de quem essa tal de Márcia Lins é irmã: do ex-delegado expulso da polícia civil e ex-deputado estadual cassado, Álvaro Lins, Vocês sabiam.
Sorte que o Sgt PM Passos, que lá estava, conseguiu reaver a faixa no JECRIM e fez valer seu direito de cidadão. Esse é o governo do nosso estado: 02 pesos, 02 medidas!
JUNTOS SOMOS FORTES

quinta-feira, 29 de abril de 2010

São Gonçalo perde herói bombeiro


Trinta e um anos de vida foram suficientes para o gonçalense Jasper Sanderson, criado no Porto Novo, trilhar um caminho brilhante no Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio, onde atualmente ostentava a patente de major. Ontem à tarde, o piloto e perito da corporação morreu após o avião que pilotava cair em uma área residencial de Resende, na Região Sul-Fluminense. Acompanhado do aspirante (tenente) Luis Guilherme, 28, Jasper realizava um voo de reconhecimento para futuros treinamentos na região. Ambos morreram carbonizados.

Jasper decolou do Aeroporto de Jacarepaguá, onde era lotado no Grupamento de Operações Aéreas (GOA) do Corpo de Bombeiros. O acidente ocorreu após o oficial ter sobrevoado aquela área com o comandante tenente-coronel Ernani da Mota Leal. Nenhum problema foi detectado.

No segundo voo, o sargento Castro acompanharia o piloto, mas desistiu em cima da hora. “O objetivo do voo era fazer um reconhecimento da área. Eu moro aqui no bairro (Santa Isabel) e falei com a minha esposa pelo celular que ia decolar, para ela olhar pela janela. O aspirante fez fotos minhas junto ao avião com seu celular, mas não sei...na hora de subir, quando coloquei o pé no avião falei para o aspirante ‘vai lá você’. Dois minutos depois o avião estava caído, no meio da rua”, disse o sargento.

Antes de bater no chão, Jasper evitou que o avião colidisse no Condomínio Residencial Ricardo Tomás, caindo na Rua José Estevam da Motta, em frente ao prédio. A aeronave explodiu com o impacto.

Especialista em pilotar este tipo de aeronave, capaz de realizar voos rasantes a três metros do chão e despejar água sobre focos de incêndio, o major gonçalense era apaixonado pela sua profissão. Na manhã de ontem, o pai do militar, Jomar Barbosa de Assis, 64 anos, reformado da Marinha, chegou a perguntar se o filho não iria utilizar o avião em um incêndio ocorrido na Central do Brasil.
“Não sei bem o que estou sentindo. Não consigo definir. Ele era um ótimo garoto. Estudioso, querido, muito família e tinha um grande futuro pela frente. Sempre tive muito orgulho dele”, disse o pai, arrasado, na porta de sua casa, no Porto Novo. “Meu filho morreu queimado. É difícil acreditar”, completou.

O interesse pela carreira militar surgiu quando Jasper ainda era criança. Além do pai, que era da Marinha, também havia um tio tenente-coronel do Corpo de Bombeiros. “Ele gostava de ver todo aquele aparato. A roupa, os acessórios, além de sonhar em voar”, lembrou o pai. Inconsolável, a mãe do major, Martha Penna de Assis, 54, não conseguiu expressar tanta dor.
Jasper atuava na aeronave desde 2006. Pouco depois foi qualificado pela Aeronáutica para comandar o avião, único no Estado, após passar por seleção com outros sete pilotos. Desde então cumpriu missões no Rio, São Paulo e Sergipe.

Mais velho entre três irmãos, Jasper deixou esposa, capitã lotada no Quartel General do Corpo de Bombeiros, no Rio, e um menino de 1 ano e 10 meses. Atualmente, ele morava com a família no Itanhangá, em Jacarepaguá.

Herói – Em outubro de 2007, a edição n° 50 da revista Veja Rio trouxe uma reportagem intitulada “Os homens que salvam”. A matéria apresentou alguns bombeiros que salvaram vidas em diferentes ocorrências, como incêndios, afogamentos e desabamentos. Entre os heróis militares, figurou o então co-piloto Jasper Sanderson, que aos 28 auxiliou no salvamento de várias famílias, durante um incêndio na favela Rio das Pedras, na Zona Oeste do Rio, ocorrido em agosto de 2007.

Comandado pelo piloto Alonso Júnior, Jasper despejou dezoito vezes a capacidade máxima do tanque de água da aeronave, de 3.100 litros. Foram necessárias cinco horas para que as chamas fossem contidas. A ocasião marcou a primeira vez que os bombeiros utilizaram um avião para combater um incêndio numa favela, antes utilizado apenas em florestas e montanhas. A tragédia destruiu mais de 500 casas, com um total de 2 mil desabrigados.

* O avião explodiu na queda. Jasper era perito nesse tipo de voo e apaixonado pela profissão (Foto: Lucia Pires/Diário do Vale) ::

Corpos de bombeiros mortos são enterrados


Resende

Os corpos do major-bombeiro Jasper Sanderson, 34 anos, e do aspirante a oficial, Guilherme Augusto Neto, 28 anos - mortos na queda de um avião do Corpo de Bombeiros anteontem, em Resende - foram sepultados ontem no Rio de Janeiro, às 16h. Jasper era o piloto e Guilherme o passageiro do avião monomotor de combate a incêndios florestais do Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro, que caiu por volta das 16h de terça-feira na Rua José Estevam da Motta, no bairro Santa Isabel, em Resende.

O acidente ocorreu minutos depois da aeronave decolar do aeroporto da cidade, para um voo de reconhecimento de área. O exercício serviria, posteriormente, para que bombeiros pudessem treinar combates a incêndios na mata no entorno do Pico das Agulhas Negras. O avião explodiu ao bater no solo e as vítimas foram carbonizadas.


Os corpos foram retirados dos destroços por volta as 23h30 de ontem, após técnicos do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aéreos da Aeronáutica (Cenipa) realizarem uma perícia preliminar no local do acidente.

O trabalho dos peritos continuou durante todo o dia de ontem. A Rua Estevam da Motta, onde o avião caiu, continuava interditada. No final da tarde, o motor e a hélice do avião foram enviados para o Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) de São José dos Campos, e a fuselagem do avião vai permanecer por enquanto no quartel do Corpo de Bombeiros de Resende.


De acordo com o Coronel Investigador da Cenipa, Antônio Augusto Walter de Almeida, a Aeronáutica designou uma comissão de três investigadores para atuar no local do acidente, colhendo informações técnicas, realizando registros fotográficos, entrevistas com moradores e com pessoas que assistiram ao acidente para redigir um Relatório de Ações Iniciais que deverá ficar pronto em 30 dias. O relatório final tem o prazo de até 12 meses para ser concluído.

- Nós chegamos ontem à noite e estamos colhendo documentação, fotos, entrevistando moradores que estavam no condomínio na hora do acidente, moradores das casas vizinhas, para entender o que pode ter acontecido. Nós trabalhamos de acordo com normas internacionais e o nosso objetivo não é procurar culpados, mas sim trabalhar com diversas linhas de pesquisas para prevenir futuros acidentes aéreos.

Depois dessa pesquisa preliminar outras serão desenvolvidas com engenheiros, psicólogos, investigadores científicos. O motor, a hélice bem como outras partes do avião serão enviadas para o Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) de São José dos Campos, para serem analisadas com profundidade. Serão feitas contas, medições, laudos de engenharia, além de um perfil psicológico do piloto. Tudo isso será investigado e o relatório final vai ser publicado no site do Cenipa e enviado a todas as partes envolvidas - explicou o coronel, acrescentando que o piloto fez um plano de vôo de decolagem do Rio de Janeiro por volta de 12h30, e que o avião era um monomotor agrícola da Air Tractor adaptado para o Corpo de Bombeiros.


Sobre a hipótese de que o piloto teria desviado do prédio para evitar um acidente maior, o coronel disse que ainda é muito cedo para se afirmar isso. "O avião agrícola é feito para voar baixo, estamos investigando o que pode ter acontecido. Através dessa perícia poderemos evitar outros acidentes. Há acidentes que são bem fáceis de entender, este está um pouco difícil. Temos que colher mais informações, não dá para afirmar que o piloto desviou intencionalmente do prédio, ainda é muito cedo para tirar conclusões", declarou o investigador.



Moradores abalados

Os moradores do bairro Santa Isabel ainda estão muito abalados com o acidente. A arquiteta Andreza Heringer Tavares, moradora do primeiro andar do Bloco 3, local mais afetado com a queda do avião, contou para a equipe do DIÁRIO DO VALE como ocorreu o impacto da aeronave no solo e as explosões que aconteceram logo em seguida.
- Estou até agora em estado de choque. A impressão que eu tive é que estava estourando uma bomba dentro da minha casa. Eu vi uma bola de fogo entrando pela janela.

Eu não conseguia entender nada. Só deu tempo de arrastar a cama da minha filha de perto da janela para o colchão não pegar fogo e alastrar mais fogo pelo apartamento. Ela não estava em casa na hora, se estivesse no quarto não quero nem pensar. Depois que eu puxei o colchão sai do apartamento gritando e chamando todos os outros moradores para sair. Só fomos entender que era um avião que tinha caído na rua quando chegamos ao térreo. Nós já estamos acostumados com o som de aeronaves decolando e aterrissando o tempo todo, o nosso bairro é vizinho ao aeroporto, isso para nós já é normal.

Mas ontem houve um estrondo enorme, e logo depois a chama invadiu o apartamento e depois houve muita fumaça, muita fuligem - contou Andreza, afirmando que não vê a hora de poder limpar a casa e voltar à rotina. "Ontem vieram quatro perícias aqui, mas todas do Estado, ainda não veio nenhuma perícia de seguradora, então nós não podemos tirar nada do lugar. Isso precisa ser resolvido. Preciso limpar a minha casa e voltar à vida normal o mais rápido possível", disse Andreza.


Júlia Mello Santiago Marques, de 28 anos, moradora da Rua Dona Arcídia, transversal à rua onde ocorreu o acidente, disse que o estrondo do avião batendo no solo e os gritos dos tripulantes não saem de sua cabeça.
- Eu estava chegando em casa. Vi quando o avião decolou do aeroporto e achei que ele estava voando muito baixo. Fui guardar a bicicleta e quando voltei ele estava dando a volta na rua e quase batendo no prédio do condomínio.

O chão estremeceu todo e os dois tripulantes gritavam muito: "Vai cair! Vai cair!". Eles gritavam desesperadamente. Depois que o avião caiu houve uma explosão com o impacto. Corri em casa, chamei meu esposo, viemos para rua ver se tinha mais alguém machucado. Chamamos o Corpo de Bombeiros na hora. Depois da queda houve outra explosão. Moro nesse bairro há um ano e nunca vi nada igual, eles estavam voando muito baixo, eu pensei que eles iam bater no prédio - contou Júlia, que ressaltou o fato do acidente não ter causado mais vítimas. "Não consigo esquecer os gritos deles.

Foi muito triste e um verdadeiro milagre não ter morrido mais ninguém. Graças a Deus não tinha ninguém na rua naquele momento e também não machucou os moradores do prédio em frente. Graças a Deus. Eles foram muito habilidosos em impedir o avião de bater contra o prédio", apontou a moradora.
Anderson Mendonça, de 36 anos, morador da Rua Abílio de Souza, também próxima ao local do acidente, também apontou o fato do acidente não ter causado mais vítimas.


- Foi um milagre mesmo. Eu também vi quando eles decolaram, estava muito baixo, mas o som do motor parecia normal. Parece que eles tiveram um problema para comandar o avião e tentaram retornar para o aeroporto, mas havia um helicóptero realizando vôos de paraquedismo, então eles tentaram fazer uma curva, mas o avião virou de barriga para baixo de caiu de bico no meio da rua. Dava para ouvir os gritos deles de dentro do avião: "Vai cair! Vai cair!". Eles gritavam muito alto, muito alto mesmo, foi horrível. Moro aqui há cinco anos e sempre vejo avião voando baixo por aqui, mas coisa igual a essa eu nunca vi. Foi um milagre não ter morrido mais ninguém - disse o morador.

Piloto não teria comunicado ao aeroporto de Resende sobre voo

De acordo com o coordenador operacional do aeroporto de Resende, Nélio Silva Sampaio, o Major da Brigada Aérea do Corpo de Bombeiros, piloto Jasper Sanderson Penna de Assis, de 31 anos, morto no acidente aéreo de ontem à tarde em Resende, não comunicou nem ao coordenador, e nem a nenhum funcionário do aeroporto, ou da prefeitura, que iria aterrissar com o Air Tractor modelo AT802F, prefixo PREPM, para realizar quaisquer tipos de treinamentos no município. Nélio disse ainda que o avião estava sob a responsabilidade do piloto e que ele é autoridade máxima dentro de uma aeronave.


- Nosso aeroporto não é controlado, ou seja, quando o aeroporto é controlado por instrumentos os funcionários são comunicados imediatamente sobre os planos de vôos, mas este não é o nosso caso. O aeroporto ainda aguarda a liberação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para voltar a funcionar. Nesse caso cabe ao piloto se inteirar das condições do avião e do aeroporto em que ele pretende aterrissar. Subtende-se que ele está ciente das condições do aeroporto para onde ele está indo.

Como ele não estava fazendo treinamento militar, e nem estava em situação de emergência, deveria seguir as regras normais da aviação civil. Nós não tínhamos conhecimento de que o piloto viria para Resende. O bom senso seria ele pedir uma autorização para utilizar o aeroporto, e essa autorização seria emitida pela Anac em caráter excepcional.

O fato dele ter feito um plano de vôo antes de sair do Rio não é alvará para nada, o piloto tem que fazer esse plano de vôo para poder sair do aeroporto onde se encontra o avião - disse Nélio, acrescentado que as únicas situações em que ele poderia impedir uma aeronave de decolar do aeroporto seriam as de anormalidade cível. "Nós não podemos impedir uma aeronave de aterrissar ou de decolar do aeroporto. Só poderíamos fazer isso se percebêssemos uma anormalidade de caráter cível, como contrabando ou sequestro, mas ainda assim teríamos que acionar a polícia", explicou o coordenador.


Sobre uma das hipóteses levantadas por um dos moradores de que o piloto teria tentado voltar para o aeroporto, mas não pode aterrissar porque havia um helicóptero de paraquedismo no ar, Nélio descartou essa possibilidade.
- Esse helicóptero de paraquedismo é militar e está no aeroporto realizando manobras desde o início da semana, mas não houve interferência nem do helicóptero nem de nada nesse acidente. Inclusive, no momento que ocorreu o acidente, o helicóptero estava parado. Volto a dizer que o avião do bombeiro estava sob a responsabilidade do piloto, e ele é a autoridade máxima dentro do avião - afirmou Nélio.

* Na matéria publicada na edição de ontem do DIÁRIO DO VALE, estava escrito que peritos da Polícia Civil estavam no local do acidente. Na verdade, os peritos são do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE), órgão que é independente da Polícia Civil.

sábado, 24 de abril de 2010

Deputado Miro Teixeira Cogita ir ao Supremo Tribunal Federal para votar a PEC 300

Somente na Câmara dos Deputados do Brasil a maioria não representa NADA.
Isso é o que demonstra a total falta de respeito do Presidente Michel Temer que não tem peso suficiente para peitar a decisão vergonhosa do Governo e do Partido dos Trabalhadores.

Michel Temer não está preocupado em arranhar sua imagem ao tomar uma decisão dessas. Talvez pense ele que sua próxima eleição está garantida, seja como vice-presidente na chapa de Dilma ou para retornar a Câmara dos Deputados. Engana-se. Saberemos lembrar de quem está contra a PEC300. Vamos trabalhar contra, convencer quem vota a votar ao contrário. Lembrem-se em toda sessão eleitoral tem um policial militar trabalhando.

A atitude do Governo Lula e do PT é falta de vergonha, é descarada. O Presidente Lula como é de costume, tem a desfaçatez de vir a público dizer que policial tem que ganhar bem, mas manda seus capachos Cândido Vaccarezza, José Genoíno, Fernando Ferro e o Presidente da Câmara dos Deputados Michel Temer barrar a PEC 300. Ou seja, joga para a platéia. Não admite que ele sim é contra a PEC300. É contra a melhoria da Segurança Pública deste país.
Cansados dessa posição na Câmara dos Deputados, o Deputado Miro Teixeira (PDT-RJ), questionou a posição da mesa da Câmara dos Deputados ao impedir que a PEC300 seja levada em votação. O Deputado também propôs a se fazer uma coleta de assinaturas dos parlamentares e requerer ao Deputado Michel Temer um posicionamento formal, caso não queira colocar a PEC300 em votação. Diante de uma recusa por parte do Pres. Michel Temer esse documento seria usado para ingressar numa ação no Supremo Tribunal Federal.
Talvez seja a melhor alternativa perante uma Câmara que está se desmoralizando por um simples projeto de emenda constitucional.

Lamentável o parlamento se curvar ao PT dessa maneira.

segunda-feira, 19 de abril de 2010

CONSEGUIRÃO IMPLANTAR UMA UPP NO ALEMÃO???



UM ÓTIMO DOMINGO A TODOS OS SOBREVIVENTES!!!

DEPUTADO BOLSONARO FALA SOBRE IDADE PRA CONCURSO


Na história da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, as praças sempre puderam fazer concurso público para se tornarem oficiais. Nada mais lógico, pois se alguém serve para ser soldado, em tese, também serve para ser tenente. Basta passar na prova.

Com o decreto estadual 42.307/2010, a regra mudou. Se o candidato à Academia de Polícia Militar Dom João VI já for policial militar, deverá ter, no máximo, 30 anos de idade incompletos na data da matrícula.

Tal medida é inexplicável pelos aspectos humanitário e moral. Principalmente da forma repentina como ocorreu, sem um “aviso prévio”.
Muitos foram pegos de surpresa, pois já haviam se programado para fazer a prova, matricularam-se em cursos preparatórios e deram baixa nos “bicos” para se dedicarem exclusivamente aos estudos. Como o governo não dá qualquer expectativa de melhorias salariais, essa ainda é a única esperança de ascensão profissional e pessoal.

Não que oficial da PM tenha um bom salário – sabidamente não tem. Mas é uma porta que ainda se encontra aberta para que tenham uma pequena melhoria salarial e continuem fazendo o que gostam: serem policiais militares.

Com essa medida, a evasão dos quadros da PMERJ tende a aumentar ainda mais, pois, certamente, os preteridos – muitos soldados, a maioria dos cabos e a totalidade dos terceiros-sargentos em diante – farão provas para carreiras mais atrativas.
O Estado está abrindo mão da experiência, da competência e da já testada conduta ilibada de milhares de praças com fichas disciplinares limpas, que poderiam contribuir sobremaneira para segurança pública na condição de oficiais.

O limite de idade pode ser revisto por intermédio de um simples decreto do governador. Se não houver consenso, que se adie essa exigência para os concursos futuros. Que seja dada, no mínimo, uma última chance àqueles que seguem sonhando com a ascensão na carreira policial militar.

Promoção por ato de bravura


Três policiais militares do Grupamento Aéreo Marítimo (GAM) que participaram de uma operação policial no Morro dos Macacos, no dia 16 de outubro de 2009 foram promovidos por ato de bravura pelo Secretário de Segurança, José Mariano Beltrame. Os capitães Marcelo de Carvalho Mendes e Marcelo Vaz foram promovidos a major e o segundo sargento Anderson Fernandes dos Santos a terceiro sargento. Integrantes da aeronave Fênix 2, eles foram acionados para apoiar outros policiais que participavam da operação no morro. Mesmo com o helicóptero atingido por vários disparos, o piloto, mesmo com a aeronave em chamas conseguiu desviar de várias casas e aterrisar em um campo de futebol. Na operação três policiais acabaram morrendo.

Mais um Sol que Nasce

Os corpos do policial militar William Soares Pereira, de 30 anos, e de sua noiva, Michelle da Silva Tone, de 25, foram enterrados na tarde deste sábado no Cemitério de São Gonçalo. Willian era lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do morro do Dona Marta, na Zona Sul do Rio. Entre as mais de cem pessoas que acompanharam o sepultamento, não houve quem deixasse de se emocionar com os lamentos da mãe do rapaz.

— É um pesadelo o que estou vivendo. Meu filhinho amado, minha vida está indo embora — lamentava Maria da Graça Soares.

O casal foi morto a tiros na madrugada de sábado quando passava de moto pela Rua Capitão João Manuel, no bairro Porto Novo, em São Gonçalo, onde o policial morava.



De acordo com testemunhas, eles foram abordados por bandidos que estavam em um Golf prata. Willian teria reagido ao assalto e os criminosos dispararam contra os dois. Segundo o Coronel José Vieira de Carvalho, comandante das UPPs, os pertences das vítimas, inclusive a arma do policial, foram levados pelos bandidos.

Juntos há oito anos, o casal já estava com a casa em que iriam morar quase toda mobiliada e com o casamento marcado para o fim deste ano. Segundo um amigo do PM, Wiliam Sapucaia, de 27 anos, ele também estava prestes a deixar a Polícia Militar, pois tinha sido aprovado em um concurso para a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap).

sábado, 27 de março de 2010

MOBILIZAÇÕES

PEC 300 e Reposição salarial (com a presença do Dep Fernando Gabeira).


Data: 29 MAR 2010 (segunda-feira).

Local: Largo do Machado (concentração) - Rio de Janeiro.

Horário: A partir das 17:00 horas.

Percurso: Largo do Machado, Rua das Laranjeiras, Rua Pinheiro Machado e Palácio Guanabara.



Divulguem e participem da nossa luta por cidadania.

COMO ANDA A NOSSA PEC?

Parabéns ao Governador de Sergipe

AGORA VEJAM, A ARRECADAÇÃO DO ESTADO DO SERGIPE É BEM MENOR A DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.VEJAM A INICIATIVA DO GOVERNADOR DO SERGIPE MARCELO DÉDA.(PT) http://www.youtube.com/watch?v=kxcaAu9lmTc

Paralisação Nacional PEC 300 - dia 16/04/2010

http://www.youtube.com/watch?v=4BPSepdlOXg

Clique no Link e veja  o video pelo youtube

sexta-feira, 26 de março de 2010

Candidata a Presidência apoia a PEC 300


Tenho sido procurada nos comentários deste blog para dizer a minha posição sobre a Proposta de Emenda Constitucional 300.

Para quem não sabe, a PEC 300 propõe que o salário dos policiais militares do país seja equiparado ao valor que ganha o PM do Distrito Federal e cria um fundo no qual a União terá que contribuir para pagar esse salário.

Com a PEC 300, o salário do PM passará a vir dos Estados e também da União.

Para se ter uma idéia do problema, vale a pena falar em números. No DF, o salário inicial de um PM é de aproximadamente R$ 3.100,00. No Rio Grande do Sul, o mesmo cargo paga R$ 800,00.

Por isso, estou ativamente envolvida na defesa da PEC 300. O polícial militar precisa ter um salário digno e à altura das responsabilidades e dos riscos a que ele se expõe.

Comissão de segurança quer garantir aprovação do piso para policiais

O novo presidente da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado, deputado Laerte Bessa (PSC-DF), afirmou que uma das prioridades neste ano é a defesa da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 300/08, que cria um piso salarial nacional para os policiais militares e bombeiros militares. Bessa afirmou que espera ver o assunto aprovado em 2010 pela Câmara – o Plenário ainda precisa concluir a votação da PEC.


No âmbito da comissão, Bessa informou que serão analisadas propostas que incentivem a redução da violência. Diversos projetos que poderão entrar na pauta alteram o Código Penal (Decreto-Lei 2.848/40), a Lei de Execução Penal (7.210/84) e o Código de Processo Penal (Decreto-Lei 3.689/41).

Laerte Bessa é bacharel em Direito e delegado de Polícia Civil do Distrito Federal. Ele está em seu primeiro mandato como deputado federal.

Leia entrevista concedida pelo parlamentar à Agência Câmara.

Agência Câmara – Como o senhor pretende conduzir os trabalhos da comissão neste ano?

Laerte Bessa – É um ano atípico por causa das eleições. Nós vamos procurar elaborar um plano de trabalho no sentido de reformular os projetos e relatar os principais problemas jurídicos para que, em um prazo bem curto, a gente possa dar uma resposta não só para a sociedade mas também para os colegas que exigem hoje projetos votados pelo Plenário. Hoje não chegam a 10% os projetos de segurança pública dentro do plenário. Nós vamos trabalhar para aumentar essa porcentagem, porque segurança pública é prioridade nacional.

Agência Câmara – Quais serão os temas prioritários?

Laerte Bessa – Nós estamos agora com a PEC 300. Vamos solucionar o problema salarial no País. Eu diria que, no Distrito Federal, a situação está resolvida, mas em nível nacional não está. Nós temos que dar estrutura aos estados para que possamos investir em material bélico. E também dar a estrutura básica e os cursos de academia para que o policial possa fazer um bom trabalho. Para fazer um bom trabalho, ele tem que ter salário. Essa situação de salário nós vamos resolver este ano na Câmara.

Agência Câmara – A PEC 300 já está pronta para análise do Plenário. Na comissão propriamente dita, quais são as prioridades para análise?

Laerte Bessa – Esse trabalho da PEC 300 saiu da Comissão de Segurança. Os integrantes da comissão formalizaram esse projeto que hoje está se tornando uma realidade. Agora, nós temos também que dar um basta na violência e é legislando que vamos conseguir. Nós temos vários projetos que atacam diretamente a Lei de Execução Penal, o Código de Processo Penal, que tem muita benevolência. Nós vamos dar uma minimizada na violência, que é o nosso objetivo, colocar em plenário alguns projetos que a curto prazo vão dar a sustentação para que a comunidade possa ter uma sensação mínima de segurança.

Agência Câmara – Alguma proposta poderá causar polêmica e, por isso, demorar a tramitar?

Laerte Bessa – As grandes propostas são polêmicas. No caso da maioridade penal, por exemplo, 85% do nosso povo são a favor de sua diminuição. É uma situação gritante hoje o cidadão ser considerado menor de idade antes de completar 18 anos. A nossa lei penal é de 70 anos atrás, a realidade era outra. O menor de idade hoje é muito bem informado e sabe muito bem o que é certo e o que é errado.



AGÊNCIA CÂMARA

Deputados pretendem suspender todas as eleições do Plenário

A Frente Parlamentar em defesa dos PM,s e BM,s realizou nesta terça-feira (23), em Brasília, Assembléia Geral com a participação dos representares das Associações dos Policiais e Bombeiros Militares, Policiais Civis e Agentes Penitenciários.


Ficou definida a agenda de atividades do movimento nacional com a realização da marcha em Brasília no próximo dia 6 de abril, além de uma série de audiências públicas nos Estados a partir do dia 20 de abril.

Os deputados federais Capitão Assumção (PSB-ES), Paes de Lira (PTC-SP) e Major Fábio (DEM-PB) subscreveram requerimento solicitando apoio dos parlamentares na tentativa de suspensão das votações em Plenário, até a retomada da votação dos destaques da PEC 300.

Os representantes das Associações Estaduais já iniciaram a coleta de assinaturas dos parlamentares dos seus Estados. De acordo com os deputados federais, 200 assinaturas suspendem as votações em Plenário. O que eles classificam de obstrução individual.

O sentimento de indignação dos Policiais e Bombeiros, com o a decisão do colégio de líderes, em suspender a votação da PEC pode deflagrar uma paralisação nacional dos agentes de segurança.

A reunião foi tensa e marcada por acalorados debates no campo democrático. Os deputados foram os mediadores das discussões que culminaram com a elaboração do planejamento estratégico do movimento nacional.

Propostas que foram acertadas na reunião de ontem:

1) Dentro de cada estado deve ser criada a CAMPANHA DO R$1,00. Campanha essa que consiste em arrecadar, dentro dos quartéis, a maior quantia possível, com a contribuição mínima de R$1,00 por militar, para custear campanhas publicitárias (outdoors, adesivos...) alusivas à PEC 300 e ofensivas aos líderes do PT e PSDB que tentam barrar a aprovação na Câmara.

2) No dia 06 de Abril, data em que os líderes da Câmara, em reunião com o Presidente Michel Temer, decidirão se colocarão a PEC 300 em pauta, ou não, REALIZAREMOS UMA GRANDE PASSEATA NA CAPITAL FEDERAL, UNINDO BOMBEIROS, POLICIAIS MILITARES, POLICIAIS CIVIS E AGENTES PENITENCIÁRIOS DE TODO O BRASIL, a fim de EXIGIR a colocação em pauta e a votação IMEDIATA da PEC 300.

3) No dia 20 de Abril, caso a PEC não tenha sido votada e aprovada, cada estado realizará um manifesto, com indicativo de GREVE por parte das Polícias Civis e AQUARTELAMENTO por parte da Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares de todo o BRASIL.

Sidnei Leandro

Governo solicita reunião com deputados para debater a PEC 300

"Governo Federal quer chegar a um denominador comum com os trabalhadores de segurança pública"


O primeiro passo em busca de uma solução para a votação da pec 446 foi dada no dia de hoje, o líder do governo, Cândido Vaccarezza,Solicitou uma reunião com os deputados da Fremil (Frente Parlamentar em Defesa dos Policiais Militares e Bombeiros Militares) para discutir o tema.

Há ainda resistência por parte do Governo ao fato da PEC 300 propor que o piso salarial seja instituído na Constituição. Em resposta o deputado Átila Lins, indicou que o Governo, apresente uma alternativa aceitável. “Nós queremos a votação da PEC 300 na forma como a matéria está, mas se o Governo resiste, a solução é que ele crie um projeto de lei estabelecendo o piso”, sugere o parlamentar.

Já o Capitão Assumção informou que vai lutar para que o piso esteja na Constituição. “Não abrimos mão do piso salarial fixado em lei. Vamos continuar batalhando por isso até o final”, afirma. "As manifestações devem continuar. As marchas devem se intensificar pois foi dessa forma que, a partir de uma paralisação de mais de 10 horas em Brasília, feita pelos policiais e bombeiros, que a primeira votação aconteceu. Não devemos esmorecer jamais e nem abandonaremos o piso com valor nominal registrado na nossa Constituição Federal. Chegou a nossa hora", continua Assumção.

Para os deputados que fazem parte da Fremil a reunião foi um sinal positivo do Governo para buscar um entendimento. “Embora nada tenha sido fechado, o fato de abrir o diálogo mostra que o Governo está disposto a romper o bloqueio e procurar uma conciliação, e só cabia a ele tomar a iniciativa, pois nós já fizemos a nossa proposta, que foi aprovada em primeiro turno com 393 votos favoráveis”, salienta Paes de Lira.

Esta marcada para a próxima terça-feira dia 30 a nova reunião entre Fremil e Vaccarezza!

Vamos aguardar que o resultado seja positivo para nós,é hora de continuarmos unidos e nos mobilizarmos ainda mais e não tenham duvida que iremos vencer essa batalha.

terça-feira, 23 de março de 2010

Frente Parlamentar em Defesa dos Policiais e Bombeiros

Deliberação

Diante do quadro de “intervenção branca” na Câmara Federal, por parte do governo, que impediu por 20 dias que se colocasse qualquer PEC para ser votada no plenário da casa, com o objetivo claro de impedir o prosseguimento da votação da PEC 300, procrastinando a votação do Piso Salarial Nacional dos Bombeiros e Policiais, até que esse mesmo governo consiga retirar do texto já aprovado, o valor nominal de R$ 3.500,00, a frente parlamentar deliberou:



1. Que, nos estados, os trabalhadores, através de seus sindicatos e associações dos trabalhadores de segurança pública, coloquem outdoors com mensagem similar à apresentada aqui: “O Governo Federal quer matar a PEC 300 ” . Essa campanha deve perdurar durante o prazo de vigência da “intervenção branca” na Câmara Federal;


2. Que, imediatamente, para efeito de patrocinar o financiamento da luta pela PEC 300, quer seja padivulgar nossas manifestações em cadeia de rádio e TV, quer seja para subsidiar a possível permanência de um grupo de policiais e bombeiros na Capital Federal ou qualquer outra atividade deliberada por todos os bombeiros e policiais da nação brasileira, seja iniciada a CAMPANHA DO REAL (doação de, no mínimo, R$ 1,00). Conta e gestores a serem definidos até o dia 15 de março (segunda);


3. Que seja realizada em todas as 26 capitais, no dia 21 de março (domingo), uma grande marcha, envolvendo todos os trabalhadores de segurança pública (bombeiros, policiais militares, policiais civis, agentes penitenciários e categorias afins) cobrando o fim da intervenção branca na Câmara Federal (mesmo horário matinal em todo o Brasil, a ser definido.);


4. Que, no dia 23 de março (terça), às 14:00 horas, no auditório Nereu Ramos da Câmara Federal, seja feita a 1ª ASSEMBLÉIA GERAL UNIFICADA DOS TRABALHADORES DE SEGURANÇA PÚBLICA DO BRASIL, com a presença de todos os presidentes de sindicatos dos policiais civis, agentes penitenciários, associações dos policiais militares e bombeiros militares e parlamentares defensores das respectivas PECs , com a seguinte pauta:

a. mobilização e organização das categorias contra a tentativa do governo federal de matar a PEC 300 e demais PECs que estejam na pauta, dos trabalhadores de segurança pública;

b. 3ª Marcha nacional em defesa dos trabalhadores de segurança pública, no Distrito Federal;

c. indicativo de paralisação nacional.


Obs.: Para efeito de cadastramento dos Presidentes de sindicatos e associações, bem como outros detalhamentos, o Deputado Capitão Assumção está disponibilizando o seu gabinete em Brasília e em Vitória:


Brasília – DF

Anexo III, 1º andar, Gabinete 280 - CEP 70160-900

Tel 61 3215 5280
Vitória – ES

Rodovia Serafim Derenze, 11.151 - Santa Martha - CEP 29046-513

Tel 27 33255807

Deputados denunciam manobra para adiar votação da PEC 300

Câmara não estipula prazo para votar os destaques que faltam para aprovar o piso. Com isso, tramitação da matéria fica adiada.
Apesar de aprovar com folga (322 votos favoráveis e 1 abstenção) um destaque que estende os benefícios da PEC 300/08 aos inativos e aos policiais e bombeiros militares dos ex-territórios do Amapá, Rondônia e Roraima; deputados adiaram indefinidamente a votação da proposta que cria o piso salarial nacional para essas categorias, além da polícia civil. Para concluir a votação em primeiro turno, a Casa ainda precisa votar quatro destaques à matéria, e não há previsão na pauta para essas votações. Assim, a Câmara pretende passar à discussão de outros assuntos, sem fixar prazo para concluir a votação do piso dos policiais.

Do plenário da Câmara, vários deputados se revezaram denunciando uma eventual manobra para impedir a análise da matéria, que cria o piso salarial provisório de R$ 3,5 mil e R$ 7 mil para praças e oficiais, respectivamente.

“Isso é uma covardia que estão fazendo com os nossos colegas da segurança pública do nosso pais”, afirmou o deputado Ilderlei Cordeiro (PPS-AC). A deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC) destacou que há “falta de transparência” na votação da proposta de emenda constitucional. “A maioria dos governadores dos grande estados está pressionando os líderes e o governo... Se algum governador não puder pagar, que abra o jogo com seus policiais.”

O deputado Miro Teixeira (PDT-RJ) chegou a convocar os parlamentares favoráveis à matéria para obstruir qualquer votação na Casa até que a proposta seja analisada. “Os deputados que estão comprometidos com a PEC 300, estão comprometidos a demonstrar que não existe luta pela metade. Se houver esse tipo de obstrução, temos o dever de obstruir todas as matérias que estão nesse plenário.”

O deputado fluminense alertou que os demais destaques à matéria mudam substancialmente o que já foi aprovado. Conforme explicou, o baixo quorum da Câmara seria um risco para a conquista dos policiais, uma vez que os defensores da PEC teriam de reunir , no mínimo, 308 votos para manter o texto-base.

Para o deputado Marcelo Itagiba (PSDB-RJ), delegado da Polícia Federal, o atraso na conclusão do primeiro turno de votação da PEC tem uma razão: “Muitos não querem votar porque não querem uma polícia de qualidade”.

Do outro lado, deputados governistas pediam mais tempo para discutir a PEC. “Uma coisa dessa complexidade não pode ser resolvida dessa maneira, a toque de caixa... Quem quiser resolver de qualquer maneira, não vai resolver”, afirmou o deputado José Genoino (PT-SP). “Não se pode botar fogo numa situação explosiva”, reforçou.

Para o deputado Silvio Costa (PTB-PE), a PEC 300 é inconstitucional e “não aguenta dois minutos no Poder Judiciário”. Ressaltando ter votado a favor do mérito da proposta, ele argumentou que matérias de segurança pública são obrigações dos estados. “É o governador quem paga o salários dos militares. O pernambucano chegou a classificar a votação da matéria como “apoteose do nada”. “Estamos enrolando esses homens e mulheres.”

Líder do Governo discutirá PEC 300 com Lula

O líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), afirmou há pouco que vai pedir uma “posição clara” do presidente Lula a respeito da PEC 300/08, que vincula o salário inicial dos policias e bombeiros militares aos vencimentos de seus colegas do Distrito Federal (maior salário da classe no país). Vaccarezza disse que nunca tratou do assunto com o presidente nem com a Casa Civil, mas que entende que a mudança deveria ser objeto de projeto de lei, e não de uma proposta de emenda à Constituição.


“Quanto menos assuntos forem introduzidos na Constituição, melhor. Uma PEC engessa qualquer discussão posterior. Isso tem de ser assunto de PL”, afirmou o líder governista.

Confira a íntegra da PEC 300/08

Pautada para o plenário da Câmara nesta semana, a PEC 300 dificilmente será apreciada pelos deputados até quinta-feira. De acordo com Vaccarezza, a prioridade do governo nesta semana será a conclusão dos projetos do pré-sal. A apreciação da PEC 300 deve ser acompanhada por milhares de agentes diretamente interessados em sua aprovação. A Câmara espera pressão de 4 mil policiais e bombeiros militares.

O parlamentar se reunirá com a base aliada amanhã, ao meio-dia, para traçar estratégias no sentido de concluir a análise dos projetos do pré-sal. A expectativa é concluir, até quarta-feira, a votação da proposta que trata da partilha dos royalties e da que dispõe sobre a capitalização da Petrobras.

Na partilha do pré-sal, a Câmara terá de voltar à discussão de uma emenda, apresentada pelos deputados Ibsen Pinheiro (PMDB-RS) e Humberto Souto (PPS-MG), que mudou radicalmente a distribuição dos royalties e trouxe impasses entre bancadas estaduais e entre governistas e oposição. A Casa precisa analisar essa emenda para concluir a votação da matéria.



Segundo a proposição, os recursos do petróleo serão distribuídos a municípios e estados de acordo com as regras dos fundos de participação dos municípios (FPM) e dos estados (FPE). Dessa forma, a divisão fica mais igualitária entre os entes, mas os estados do Rio de Janeiro e do Espírito Santo (principais estados de exploração do pré-sal) passam a receber menos recursos.



Vaccarezza também aproveitou para fazer uma mea culpa em relação à sua atuação como líder na votação do projeto que cria o Fundo Social do pré-sal. “Fui muito duro no encaminhamento”, desabafou.



Na semana passada, parte da base aliada se juntou à oposição para aprovar uma emenda que reajusta as aposentadorias acima de um salário mínimo. De acordo com a emenda aprovada, 5% dos recursos de combate à pobreza do Fundo Social do pré-sal vão para esses dependentes da Previdência Social.



“Quando tem uma posição cristalizada, não tem conversa”, afirmou o líder governista, que orientou a base a votar contrariamente à emenda. “Foi uma grande lição”, destacou.

Bolsa Marginal

Pensei que era brincadeira... Mas não é, entrei no site da previdência (www.inss.gov.br) informado abaixo e TÁ LÁ !!!!!!! Pasmen


Alguém, por favor, me diga se isto é real.

Não estou acreditando. ..

BRASIL ! ...ZIL ! ....ZIL !

Programa Bolsa-Marginal ?

Você sabia que todo presidiário com filhos tem uma bolsa para sustentar a família, dado pelo INSS, pois o coitadinho não pode trabalhar para sustentar os filhos pois está preso?

Chama-se "Auxílio-reclusã o" e, pasmem... quem foi preso a partir de 01/12/2009, recebe R$ 752,12 (quanto está o salário mínimo mesmo, para aqueles que trabalham honestamente? ???)

O valor do auxílio-reclusã o corresponde ao equivalente a 100% do salário-de-benefí cio (existe uma tabela).

O salário-de-benefício corresponde à média dos 80% do maior salários-de-contribu ição do período contributivo, a contar de julho de 1994.
Para o segurado especial (trabalhador rural), o valor do auxílio-reclusã o será de um salário-mínimo, se o mesmo não contribuiu facultativamente.

Tire a dúvida neste "site" :

http://www.previdenciasocial.gov.br/conteudoDinamico.php? id=22

Pergunta que não quer calar 1:

Por acaso os filhos do sujeito que foi morto pelo coitadinho que está preso recebem uma bolsa para seu sustento?

Pergunta que não quer calar 2:

Já viu algum defensor dos Direitos Humanos defendendo esta bolsa para os filhos das vítimas?

É por isso que a criminalidade não diminui ....

Mate e assalte..... .

e ganhe o Bolsa - Bandido...!

E depois o Lula vem dizer que o INSS não tem dinheiro para pagar o reajuste justo aos aposentados. ..!!!!

Sabe quem está financiando esta regalia do Bolsa Bandido ?

Nós, com nossos impostos e contribuições!


A CÂMARA DOS DEPUTADOS ESTÁ SEGURANDO A VOTAÇÃO DO REAJUSTE E REPOSIÇÃO DAS PERDAS DOS APOSENTADOS DO INSS QUE JÁ FOI VOTADO E APROVADO PELO SENADO FEDERAL.


APOSENTADOS!

VAMOS PRESSIONAR OS DEPUTADOS FEDERAIS PARA APROVAREM LOGO A REPOSIÇÃO, E, CASO NÃO VOTEM, OU VOTEM CONTRA,

VAMOS EXCLUÍ-LOS DE NOSSA VOTAÇÃO NAS PRÓXIMAS ELEIÇÕES.

DIVULGUE PARA TODOS SEUS CONTATOS, MESMOS ÀQUELES QUE ESTÃO NA ATIVA, POIS ELES SERÃO OS APOSENTADOS DE AMANHÃ...


REPASSEM A TODOS OS SEUS CONTATOS...É VERGONHOSO!! !

Aumento de salário dos PMDF, CBMDF e PCDF

Prezados:
Caso Concreto: Quando agendada uma passeata combinada na cinelândia (por exemplo) há, infelizmente, a ausência de grande parte da tropa (a maioria do quadro de saúde).

Não se pode mais ter o seguinte pensamento: "nem preciso participar: já tem gente suficiente".

Não. Não tem essa gente toda. Os servidores estaduais, como um todo, carecem de uma mobilização com a cautela de aquela não ser "capturada" pela força política do Estado.
O caso do Rio de Janeiro é peculiar. Há anos, este Estado carece de gestores compromissados com a a Administração Pública; mormente, com a gestão de Recurso Humanos dos militares.

Há uma tradicional e perniciosa bagunça em nossos andares castrenses e nas secretarias de momento.

Tudo, ao sabor dos ventos de uma popularidade pagã e sem a menor ou simples preocupação de escutar (daqueles que trabalham "na ponta") quais seriam os modos mais eficientes a serem praticados numa organização.

Tão avassalador, tão de cima para baixo. Tão estúpido e obediente ao hipócrita "chefinho chorão", ciente de comandar (por ora) o 2º estado mais arrecadador de tributos do país!!!

Só para corar, de raiva, o rosto de fuligem: Existem estudos na FGV que (conforme a informação acima) subsidiam, senão fortalecem, uma política remuneratória condizente.

Ah! mas o CBMERJ é pau para toda obra!
Afinal: bombeiro-militar não ganha hora-extra!!! Assim é mole: atira-se na testa da CLT...

Um grito fardado no pé de nosso ouvido e...pronto! Garantimos (ao custo de uma considerável pontuação na pressão arterial) o cumprimento de uma missão imposssível aos "incautos civis" e, em tempo digno de obter o índice para as Olimpíadas do Rio de 2016...

Indo além: é patente a ingerência política maléfica em qualquer ação de governo, por aqui. Um patrimonialismo, uma confusão de bens públicos com privados, de dar inveja a qualquer rei absolutista.
Parece ser impossível blindar o Rio de Janeiro desse expediente.
E insisto: É flagrante o caso do Corpo de Bombeiros.
Em meus humildes estudos em Gestão Governamental e Políticas Públicas, nunca vi tanta descaracterização de uma Força Armada (Auxiliar).
Contudo, não consigo assimilar. E questiono:
Como é possível um pequeno grupo de mandatários de poder, sejam eleitos ou hierarquicamente superiores, calarem as vozes de cerca de 40.000 militares?
O que faz alimentarmos tanta resignação ante o poder executório que temos?
Sem nossa atuação eles nada podem se vangloriar.
Imaginem a seguinte ação: dois minutos sem NENHUM bombeiro-miltar?
Qual seria a estatística de vidas ou bens lesados neste pseudo-motim cronológico
Exequível, apesar de ser fruto de pensamentos revoltosos. Suculento, apesar de não-recomendável. Tudo que é imoral, engorda.
Entretanto, devemos nos lembrar que vivemos numa democracia. Tudo bem que é uma democracia com cara de ladainha. Mas...vá lá: democracia.
Então, mister negociarmos soluções com nossos representantes.
Há fôlego?

CAP BM Dent Marcos Montenegro.

Juiz rebate o Presidente das falácias contra o Judiciário

Para valorizar o judiciário contra as falácias do presidente, só mesmo um juiz!


Parabéns, Sr.Juiz Ruy Coppola!!!


Não sabia que um Juiz podia "meter a boca no trombone"


com o Presidente da Repúplica....
Agora podem ler; é de cair o queixo!!!
Resposta do Juiz ao Lula!
Que esta noticia circule pelo Brasil inteiro.



CARTA PUBLICADA NO ESTADÃO


Carta-resposta de um Juiz ao Presidente Lula publicada no Estadão.


Veja a carta que um juiz colocou no jornal de hoje:


Carta do Juiz Ruy Coppola (2º TAC) .





Mensagem ao presidente!

Estimado presidente, assisti na televisão, anteontem, o trecho de seu discurso criticando o Poder Judiciário e dizendo que V. Exa. e seu amigo Tarso, ministro da Justiça, há muito tempo são favoráveis ao controle externo do Poder Judiciário, não para 'meter a mão na decisão do juiz', mas para abrir a 'caixa-preta' do Poder... Vi também V. Exa. falar sobre 'duas Justiças' e sobre a influência do dinheiro nas decisões da Justiça.

Fiquei abismado, caro presidente, não com a falta de conhecimento de V.Exa., já que coisa diversa não poderia esperar (só pelo fato de que o nobre presidente é leigo), mas com o fato de que o nobre presidente ainda não se tenha dado conta de que não é mais candidato.

Não precisa mais falar como se em palanque estivesse; não precisa mais fazer cara de inconformado, alterando o tom da voz para influir no ânimo da platéia. Afinal, não é sempre que se faz discurso na porta da Volks.

Não precisa mais chorar. O eminente presidente precisa apenas mandar, o que não fez até agora.

Não existem duas Justiças, como V. Exa. falou. Existe uma só.

Que é cega, mas não é surda e costuma escutar as besteiras que muitos falam sobre ela.

Basta ao presidente mandar seu amigo Tarso tomar medidas concretas e efetivas contra o crime organizado.

Mandar seus demais ministros exercer os cargos para os quais foram nomeados.

Mandar seus líderes partidários fazer menos conchavos e começar a legislar em favor da sociedade.

Afinal, V. Exa.. foi eleito para isso.

Sr. presidente, no mesmo canal de televisão, assisti a uma reportagem dando conta de que,

em Pernambuco (sua terra natal), crianças que haviam abandonado o lixão, por receberem R$ 25,00 do Bolsa-Escola , tinham voltado para aquela vida (??) insólita simplesmente porque desde janeiro seu governo não repassou o dinheiro destinado ao Bolsa-Escola .

Como se pode ver, Sr. presidente, vou tentar lembrá-lo de algumas coisas simples. Nós, do Poder Judiciário, não temos caixa-preta. Temos leis inconsistentes e brandas (que seu amigo Tarso sempre utilizou para inocentar pessoas acusadas de crimes do colarinho-branco) .

Temos de conviver com a Fazenda Pública (e o Sr. presidente é responsável por ela, caso não saiba), sendo nossa maior cliente e litigante, na maioria dos casos, de má-fé.

Temos os precatórios que não são pagos..

Temos acidentados que não recebem benefícios em dia (o INSS é de sua responsabilidade, Sr. presidente). Não temos medo algum de qualquer controle externo, Sr. presidente.

Temos medo, sim, de que pessoas menos avisadas, como V. Exa. mostrou ser, confundam controle externo com atividade jurisdicional (pergunte ao seu amigo Tarso, ele explica o que é).

De qualquer forma, não é bom falar de corda em casa de enforcado.

Evidente que V. Exa. usou da expressão 'caixa-preta' não no sentido pejorativo do termo.

Juízes não tomam vinho de R$ 4 mil a garrafa.

Juízes não são agradados com vinhos portugueses raros quando vão a restaurantes.

Juízes, quando fazem churrasco, não mandam vir churrasqueiro de outro Estado.

Mulheres de juízes não possuem condições financeiras para importar cabeleireiros de outras unidades da Federação, apenas para fazer uma 'escova'. Cachorros de juízes não andam de carro oficial. Caixa-preta por caixa-preta (no sentido meramente figurativo), sr. presidente, a do Poder Executivo é bem maior do que a nossa.

Meus respeitos a V. Exa. e recomendações ao seu amigo Márcio.



P.S.: Dê lembranças a 'Michelle'. (Michelle é cachorrinha do presidente que passeia em carro oficial)

Ruy Coppola, juiz do 2.º Tribunal de Alçada Civil do Estado de São Paulo, São Paulo







VAMOS REPASSAR...